Notícias

Congresso Nacional Reverte Veto Presidencial e Proíbe “Saidinha” de Presos

Em uma decisão significativa, o Congresso Nacional derrubou os vetos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à legislação que restringe a concessão de saídas temporárias para presos, conhecidas popularmente como “saidinhas”. A sessão conjunta da Câmara dos Deputados e do Senado ocorreu na tarde desta terça-feira, 28 de maio.

A lei, inicialmente aprovada pelos parlamentares, proibia o benefício para condenados por crimes hediondos e violentos, como estupro, homicídio e tráfico de drogas. Lula, entretanto, havia vetado a restrição para presos em regime semiaberto condenados por crimes não violentos. Antes da decisão do Congresso, esses detentos, após cumprirem um sexto da pena e apresentarem bom comportamento, podiam deixar o presídio por cinco dias em feriados para visitar suas famílias, estudar fora ou participar de atividades de ressocialização.

Com a derrubada do veto presidencial, a nova lei impede que todos os detentos, inclusive aqueles em regime semiaberto, deixem as prisões em feriados e datas comemorativas, como Natal e Dia das Mães. As saídas temporárias para estudos e trabalho permanecem permitidas, condicionadas a critérios como comportamento adequado, cumprimento de uma fração mínima da pena (um sexto para condenados primários e um quarto para reincidentes) e a compatibilidade do benefício com os objetivos da pena.

O senador Sergio Moro (União-PR), autor da emenda que permitiu saídas para atividades educativas e laborais, apoiou a rejeição do veto. Segundo Moro, permitir saídas em feriados compromete a segurança pública, dado que muitos presos não retornam, sobrecarregando a polícia e aumentando a criminalidade.

A nova legislação também estabelece a obrigatoriedade de exames criminológicos para a progressão de regime de fechado para semiaberto e o monitoramento eletrônico, através de tornozeleiras, para presos que passam do semiaberto para o aberto.

Contudo, a decisão enfrenta críticas. O deputado Chico Alencar (Psol-RJ) argumentou que dos 835 mil presos no Brasil, apenas 182 mil têm direito às saídas temporárias. Ele acredita que a eliminação desse benefício agravará ainda mais as condições já precárias do sistema penitenciário e privará os detentos de uma importante oportunidade de ressocialização. Alencar destacou a importância do convívio familiar para a reintegração dos presos, criticando a medida como cruel e contraproducente.

Visitante

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Notícias

Foragido pela morte de delegado aposentado em bar morre em confronto com a polícia em SC

Um dos dois foragidos investigados pelo latrocínio de um delegado aposentado em um bar de Criciúma, no Sul catarinense, foi
homicidio-sao-jose
Notícias

Empresário de salões de beleza de luxo é suspeito de matar a tiros cliente de bar em SC

Um cliente de uma loja de conveniências foi baleado e morreu em São José, na Grande Florianópolis, após uma discussão