Notícias

STF Suspende Julgamento sobre Descriminalização do Porte de Maconha

O Supremo Tribunal Federal (STF) suspendeu nesta quinta-feira (20) o julgamento que pode levar à descriminalização do porte de maconha para consumo pessoal. O ministro Dias Toffoli apresentou uma nova interpretação da lei contestada, resultando no adiamento da decisão para a próxima terça-feira.

O julgamento tem como objetivo diferenciar usuários de drogas de traficantes. Atualmente, os ministros estão debatendo se o porte de uma quantidade específica de maconha deve ser considerado crime ou um ato ilícito administrativo. O artigo 28 da Lei das Drogas está em questão; ele prevê penas alternativas, como advertências e prestação de serviços comunitários, sem prisão ou restrição de liberdade.

Até agora, cinco ministros votaram a favor da descriminalização, enquanto três foram contrários. Toffoli sugeriu que a lei já pressupõe que portar drogas não é crime e propôs um prazo de 18 meses para que os poderes Legislativo e Executivo formulem uma lei antidrogas clara e eficaz. Segundo Toffoli, essa nova legislação deve incluir regulamentações claras para diferenciar usuários de traficantes de cannabis.

Os ministros também devem definir a quantidade de maconha que um indivíduo pode portar para uso pessoal sem ser considerado traficante. A falta de critérios claros na Lei de Drogas atual resulta em interpretações diversas pelas autoridades locais. O STF busca padronizar essas abordagens policiais.

O caso específico que deu origem ao julgamento ocorreu em São Paulo, mas a decisão terá repercussão geral, valendo para todas as instâncias judiciais. O cidadão condenado por porte de drogas argumentou que o consumo não afeta a saúde pública, apenas a do usuário.

O julgamento, iniciado em 2015 e interrompido várias vezes, ainda precisa dos votos dos ministros Luiz Fux e Cármen Lúcia. Zanin e Kassio votaram contra a descriminalização, mas entendem que usuários não devem ser presos. Mendonça sugeriu que indivíduos com até 10 gramas de maconha sejam considerados usuários e propôs um prazo de 180 dias para que o Congresso regulamente o tema.

A decisão do STF pode intensificar a tensão com o Congresso, que estava discutindo uma PEC que criminaliza o porte e a posse de drogas. A tramitação da proposta foi suspensa em março, aguardando a conclusão do julgamento pelo Supremo.

Visitante

About Author

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode gostar

Notícias

Foragido pela morte de delegado aposentado em bar morre em confronto com a polícia em SC

Um dos dois foragidos investigados pelo latrocínio de um delegado aposentado em um bar de Criciúma, no Sul catarinense, foi
homicidio-sao-jose
Notícias

Empresário de salões de beleza de luxo é suspeito de matar a tiros cliente de bar em SC

Um cliente de uma loja de conveniências foi baleado e morreu em São José, na Grande Florianópolis, após uma discussão